A desilusão de um atingido

Caros amigos

Hoje aqui vim expressar

O quanto é valioso

Para mim o meu lugar

 

O cultivo em nossas terras

Alimentou gerações passadas

Tanto esforço, tanta luta

Para ficar embaixo da água?

 

As pessoas da cidade

Encontravam aqui o sossego

Hoje tem segurança

Depois terão terror e medo

 

Não sei quando isso começa

E nem quanto tempo vai

Vão destruir a natureza

E o nosso Rio Uruguai

 

Hoje nós temos peixe

Já depois não se sabe

O que vai ser dos colonos e os pescadores

No pique da cidade?

 

Lá na beira do rio

Na minha humilde cabana

A gente reúne a família

Todo o fim de semana

 

Para que tanto investimento

Do que adianta energia barata

O pobre zela e cuida

E a ambição do rico mata

 

Só de pensar nisso tudo

Já me corta o coração

O que vai ser dos bichinhos

Que estão em extinção

 

Nunca vi tal maravilha

Nem tamanha beleza

Não há dinheiro que pague

O encanto da mãe natureza

 

Na nossa mera lembrança

Vai restar a velha imagem

Tudo vai ser apagado

Pela imensidão da tal barragem

 

O que vai ser dos nossos netos

Será que ainda estaremos aqui

Por isso meu grito de ordem

É não a Garabi e Panambi!