Banner-site_Belo-Monte

Belo Monte

Aconteceu neste fim de semana o 2º Encontro das Mulheres Atingidas por Barragens no Xingu. A atividade reuniu mulheres militantes do MAB em Altamira, algumas já realocadas para o “reassentamento” urbano e outras que ainda vivem nas áreas alagadiças.

Na atividade, as mulheres discutiram as principais violações de direitos que a construção da hidrelétrica de Belo Monte tem perpetrado contra as mulheres. A perda dos laços comunitários, a prostituição e a violência foram temas bastante discutidos.

Atingida pela hidrelétrica de Belo Monte, Elissandra gravou propaganda para a empresa sobre a relocação para o reassentamento urbano. O anúncio, divulgado em janeiro de 2014, diz que Elissandra já "ganhou" sua casa. Dez meses mais tarde, a mulher continua morando em casa de palafita e alega que a empresa só lhe ofereceu R$ 10 mil em indenização

Mais de 500 atingidos pela barragem de Belo Monte compareceram à audiência pública chamada pelo Ministério Público Federal (MPF) nessa quarta-feira (12 de novembro) em Altamira para denunciar as inúmeras violações de direitos ocorridas durante o processo da remoção das famílias da área do lago na cidade de Altamira.

A audiência será no dia 12 de novembro e debaterá a responsabilidade no reassentamento da população atingida por Belo Monte, em Altamira

Vou-me embora do Brasil:

Que solta sua alcateia com ranço de ditadura

Que promete cura fácil para tanto preconceito

Que no jeito brasileiro esconde a divisão de classe

Que tolera o massacre de jovens e empobrecidos

Que deu de criar raposa no congresso nacional

E que fica à vontade com o capital imperialista.

 

Vou-me embora pro Brasil:

Que quer um povo de povos numa nação soberana

Que não se engana nem se contenta com as benesses do Estado burguês

O cadastro socioeconômico é o primeiro passo para ser reconhecido como atingido pela Norte Energia; porém a empresa excluiu muitas famílias desse direito

Sem um projeto popular em disputa nessas eleições, as parcas forças de esquerda no prato da direita desenvolvimentista ganham um significado relevante, uma luzinha no fim do túnel da mudança estrutural

Da janela da cozinha da casa grande, no centro de Santa Inês – Maranhão, o visitante, de passagem pelo Estado rumo ao Ceará, no dia 16 de setembro, avista o cartaz enorme, com a estampa de Lobão Filho, então candidato ao governo do Maranhão pelo PMDB.

Um olhar mais acurado já perceberia o sentimento popular de soberania aglutinado por Flávio Dino, PCdoB, abafado pelo império econômico e caciquismo político. À época chamam a atenção algumas placas de sinalização de trânsito com a frase apelativa ‘fora comunistas!’.

Após muitos protestos, com reuniões, debates e várias paralisações da rodovia BR 263 (Transamazônica), inicia-se a construção de quebra-molas no seu trecho de alto risco, no perímetro urbano de Brasil Novo, cidade prejudicada pela barragem de Belo Monte.

Esse perigo veio crescendo com o asfaltamento, o aumento de fluxo de veículos e da velocidade dos carros e o crescimento dos bairros Daniel de Freitas, Valadares e Cidade Nova. O último acidente fatal ocorreu no dia 7 de julho de 2014, vitimando o senhor Assis, antigo vice-prefeito do Município.