Jornada de Lutas

O processo de fragmentação das forças populares, democráticas e socialistas, que marcou a esquerda na última década, ainda não foi superado. No entanto, as bandeiras de lutas dos diversos campos políticos da classe trabalhadora apresentam bastante convergência.

Cerca de 4.000 integrantes de movimentos da Via Campesina ocuparam na manhã desta terça-feira (23) o prédio do Ministério da Fazenda, em Brasília. O objetivo é pressionar o governo para negociar pontos de reivindicação dos camponeses.

Cerca de 1500 camponeses da Via Campesina ocuparam a sede nacional do DNOCS e 800 trabalhadores da Assembléia Popular ocuparam a Caixa Econômica Federal, em Fortaleza, nesta madrugada, 23.

Começou nesta segunda-feira (22) o acampamento da Jornada Nacional de Lutas da Via Campesina e da Assembleia Popular no estádio Nilson Nelson, em Brasília. Participam da atividade cerca de 4.000 camponeses e trabalhadores.

Homens, mulheres e crianças engajados na luta pelo direito a terra se mobilizaram no último domingo (21) às margens da rodovia TO-010 para iniciar uma grande marcha rumo à cidade de Porto Nacional/TO. A proposta é conscientizar a sociedade sobre a situação destas famílias que pedem a inclusão da fazenda Dom Augusto, localizada no município, para fins de reforma agrária.

Durante o dia de hoje (22), representantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) participaram da mobilização organizada pelo sindicato dos urbanitários e eletrecitários da Paraíba. A mobilização aconteceu em frente a sede da Energisa, a distribuidora de energia da Paraíba, na BR 230, em Campina Grande/PB.

Segundo Osvaldo Bernardo, do MAB, os trabalhadores da Energisa estão vivendo em condições desumanas de trabalho e a relação da empresa (multinacional) com os trabalhadores é péssima, inclusive com demissões e afastamento dos dirigentes sindicais.

Cerca de 350 integrantes da Via Campesina ocuparam nesta manhã (22) a sede da Superintendência Regional do Incra, em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Jornada Nacional de Lutas da Via Campesina inicia com atos nas regiões Norte e Nordeste do país. Nesta segunda-feira (22), mais de 300 manifestantes bloqueiam a rodovia BR 364, no estado de Rondônia. Outra ação ocorre na Bahia, onde 400 pessoas realizam um acampamento em frente à Universidade do Vale do São Francisco, na cidade de Juazeiro.

Na manhã de hoje (22) iniciou-se o acampamento contra Belo Monte e em defesa dos direitos dos atingidos na cidade de Altamira. O acampamento é organizado pelo MAB e dezenas de atingidos pela barragem já se encontram no local, que deverá receber mais pessoas a partir de amanhã, principalmente das vilas e bairros da cidade, onde durante nas duas últimas semanas foram realizada visitas às famílias com a brigada de agitação e propaganda.

Cerca de 300 pessoas da Via Campesina iniciaram um acampamento nesta manhã (22/08) em Juazeiro, na Bahia, em frente à Universidade do Vale do São Francisco. Entre as pautas a serem discutidas estão a problemática das barragens na região, o uso abusivo de agrotóxicos pelos fazendeiros e o endividamento agrícola dos agricultores.