MST

A 2ª Feira Nacional da Reforma Agrária foi inaugurada nesta quinta-feira (4), no Parque da Água Branca e vai até o próximo domingo (7).


Por Gustavo Marinho, da Página do MST
Foto: Mídia Ninja

Está em curso uma grave e perigosa estratégia de criminalização do MST no estado de Goiás, a qual entendemos ser um atentando aos direitos humanos e um potencial risco para a luta popular não apenas no estado, mas em todo o país. Embora ainda circunscrita ao estado goiano, as ferramentas deste processo de criminalização e de estabelecimento de estado policial poderão ser utilizadas em qualquer outro estado brasileiro ou mesmo em âmbito federal, principalmente neste período de ruptura democrática.

A prisão do Valdir e do Luiz vem em um pacote de medidas que o governo de Goiás (Marconi Perilo – PSDB) vem tomando contra as mobilizações sociais, especialmente no conjunto das mobilizações contra o golpe.

 Dilma Rousseff assinou 25 decretos de desapropriação de imóveis rurais para reforma agrária e regularização de territórios quilombolas, no total de 56,5 mil hectares.

Cerca de 150 mil pessoas passaram durante os quatro dias de evento, segundo a direção do Parque da Água Branca. Apenas no sábado (24), foram 70 mil pessoas.


Por Maura Silva, da Página do MST

Fotos: Joka Madruga

Sem-terras de todo o Brasil se preparam para expor, em São Paulo, 230 toneladas de 800 produtos orgânicos cultivados nos assentamentos coletivos do movimento.

A ação foi para denunciar o uso abusivo de agrotóxicos utilizado pelo agronegócio e o fechamento de escolas no campo.

“Estamos vivendo um período que conjugou três crises: econômica, política e social”, afirma do dirigente nacional do MST, João Pedro Stédile.

Por Marco Weissheimer, do Sul21

Fotos: Guilherme Santos

Repúdio às ameaças contra João Pedro Stédile!

São Paulo, 12 de março de 2015.

A liberação de eucalipto transgênico está para ser votada na manhã desta quinta pela CTNBio. A ocupação se deu no município de Itapetininga, em São Paulo.

Da Página do MST