MAB inaugura mais uma unidade de produção agroecológica

Na manhã do dia 18 de dezembro, cerca de 70 pessoas participaram do ato político de inauguração de mais uma das 800 unidade de produção agroecológica integrada e sustentável (PAIS) que estão sendo construídas em áreas organizadas pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) em todo o Brasil. A atividade aconteceu na casa de Dona Vilma e Vando, na comunidadede Tingui, no município de Rio Pardo de Minas (MG).

O PAIS consiste em uma horta circular com um galinheiro no centro e um pomar em torno. Com ele se produz hortaliças, frangos, ovos e frutas sem utilização de agrotóxicos e adubos químicos. A irrigação éfeita por gotejamento, que utiliza a água de forma econômica e eficiente, uma alternativa compatível para regiões do semiárido.

Nas últimas semanas foram inauguradas outras 2 unidades na região, sendo uma na comunidade de Marruaz, na casa de Dona Terezae Daniel, e outra na casa de Seu Pedro e Dona Izabel, na comunidade de Curral Velho. Outras 32 unidades estão em processo de construção em 12 comunidades na bacia do Rio Pardo, onde as famílias são ameaçadas pela barragem de Berizal e pelo mineroduto da SAM. Em Minas Gerais, estão sendo implantadas 175 unidades, sendo 35 na bacia do Rio Pardo.

Durante a inauguração, Mateus Melo, militante do MAB na região, apresentou como funciona o PAIS e falou sobre sua importância para manter viva a agricultura familiar, responsável pela maior parte da alimentação do povo brasileiro. Reforçou também o fortalecimento da segurança e a soberania alimentar, mas também da geração de renda para as famílias. “O PAIS resgata o trabalho coletivo como princípio para a produção camponesa, além de dar visibilidade ao trabalho das mulheres“,  afirmou Mateus.

Aneli Balbina de Oliveira, também militante do MAB, descreveu a alegria de ter esta conquista em sua comunidade e lembrou que só foi possível ver este sonho hoje realizado através de muita organização e luta dos ameaçados pela barragem Berizal unidos com os milhares de atingidos de todo Brasil.

Valdeci Manoel dos Santos, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Indaiabira, falou da importância das pequenas, mas eficientes, ações dos movimentos sociais para o fortalecimento dos trabalhadores do campo. Realçou a importância dos trabalhadores rurais se organizarem para conhecer e garantir seus direitos e afirmou que grandes projetos prejudicam a agricultura familiar e não trazem o desenvolvimento prometido para as famílias.

Elane Rodrigues, coordenadora do MAB na região, falou como o PAIS traz a tona debates não resolvidos na sociedade sobre diversas questões como acesso a terra e a água, produção de alimentos saudáveis com diversidade e geração de renda na região. “Se acabasse a concentração de terras, o monopólio da água e monocultivos de eucalipto na região, toda Bacia do Rio Pardo sairia ganhando”. Lembrou como foi difícil garantir água na ultima seca e falou da importância de debater com toda sociedade reais soluções para os próximos anos para a democratização da água.

Elane disse ainda que a barragem de Berizal, da forma que vem sendo pensada, sem envolver a sociedade, garantir o direito dos atingidos, sem estudo ambiental e social e destinação da água acumulada no reservatório não é solução para a região e sim trará mais problemas. “É preciso discutir com toda a população da bacia água para que e para quem.”

A capacitação de agricultores e a multiplicação das unidades do PAIS é mais uma conquista da luta dos atingidos por barragens que resultou na parceria entre o MAB, a Fundação Banco do Brasil (FBB) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES).