Mulheres do campo e da cidade saem às ruas em Minas Gerais

Na manhã do dia 8 de março, cerca de 150 mulheres dos movimentos sociais do campo, sindicatos, movimentos estudantis, movimento negro e organizações da juventude concentraram-se na Praça Afonso Arinos, centro de Belo Horizonte (MG), no bloco Desobedientes do Ritmo – Mulheres na Rua e marcharam rumo a Praça 7 de Setembro.

Durante a marcha houve uma parada em frente à prefeitura e outra em frente à Igreja, onde as mulheres denunciaram o descaso de políticas públicas, principalmente pela falta de Unidade Municipal de Educação Infantil (UMEI) suficientes na cidade e a posição da igreja em criminalizar o aborto, sendo assim cúmplice da morte de muitas mulheres trabalhadoras.

As músicas, batucadas e gritos de ordem marcaram a marcha do bloco, que contou com panfletagem e colagem de cartaz por todo o trajeto. A marcha alegrou várias trabalhadoras do comércio, que saíram nas portas para dançar.

 

O Movimento dos Atingidos por Barragens esteve presente e reforçou a participação da mulher na política. “Devemos todas construir com força o Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político, pois sabemos que somos maioria na sociedade, porém menos de 9% de representação no Congresso. Como é possível colocarmos em práticas projetos que nos beneficie se somos tão poucas no momento de decisão? Lugar de mulher é na política!” afirmou Letícia, militante do MAB em Minas Gerais.

Mulheres, Água e Energia não são mercadorias!