No CE, atingidas por barragens debatem feminismo e agroecologia

Na manhã de hoje (09) se inicia o curso "Feminismo e Agroecologia", uma ação do Projeto "Mulheres Atingidas por Barragens construindo o conhecimento Agroecológico em áreas rurais do Semiárido Nordestino" em Fortaleza, capital cearense.

A Universidade Federal do Ceará recebeu a abertura do evento que se estende, em programação fechada, até o dia 12 de junho. Em um espaço aberto ao público, a mesa de debate: "Feminismo e Agroecologia: experiências, desafios e lutas das mulheres atingidas por barragens" deu o pontapé ao Curso e contou com a participação de representantes da Universidade e de Movimentos Socias.

O projeto é fruto da organização e luta das mulheres atingidas por barragens de várias regiões do Ceará e do Vale do São Francisco, entre os estados de Bahia e Pernambuco.

O espaço é realizado para cerca de 40 mulheres dessaa regiões e visa apoiar e fortalecer, a partir de processos de estudo e pesquisa, a organização produtiva e de formação no âmbito do tema de gênero e de agroecologia, com enfoque para as mulheres atingidas por barragens que sofreram e sofrem impactos diretos com as obras de barragens e projetos energéticos.