Poema: Aos 20 anos

 

Aos 20 anos sou moço, sou moça

Ainda adolescente

Forjado/a na luta diária contra os muros

Que impendem nossa liberdade

 

Ainda sonhamos

Pois nossa juventude nos move para isso

 

Ainda jovens nos fizemos adultos

Sob chuva, sol e lona

Até que tivéssemos de novo um pedaço de chão

 

Nossos pés fincados no chão de nossa história

Já fizeram marcha de sul a norte rumo ao horizonte da liberdade

 

Ainda sonhamos com nossos rios e nossa gente

Livres do capital e do imperialismo

 

Aos 20 anos ainda moço/a

Queremos reafirmar nossa convicção

De que ao povo pertence seu destino

De que nenhum muro impedirá nossa luta

Nossa marcha, nossa história

 

Aos 20 anos ainda jovem dizemos, afirmamos e declaramos

Que homens e mulheres,

Água e energia não são mercadorias!

 

Aos 20 anos olhamos o horizonte

Com a certeza de que continuaremos em luta

Em alerta permanente

Construindo nossa história e a revolução da classe trabalhadora.

 

*Em homenagem aos 20 anos do MAB